HOME  CADERNO F REGIÃO   ESTADO OPINIÃO IDÉIAS TURISMO O JORNAL ARQUIVO PROJETOS ANÚNCIOS SISTEMA

 


SABATINA
Otoniel encara e responde sabatina da Folha

 
 
   

Por: Roberto Patriota // em: 01/12/2009
robertocpatriota@hotmail.com


 



Otoniel de Souza BarachoFilho natural da praia do Cajueiro no município de Touros, Otoniel de Souza Baracho 66 anos, tem uma história rica e marcante. É considerado por muitos tourenses como o político mais atuante e ético a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal de Touros. Eleito vereador em 1988, foi durante quatro anos o edil mais combativo e atuante que aquela casa legislativa já conheceu. Autor de importantes emendas na Lei Orgânica do Município de Touros, lutou para que Touros tivesse uma legislação moderna e democrática. Teve seu mandato marcado por uma postura ética e sempre favorável a transparência política municipal, mesmo que isso colocasse seu futuro político sobre ameaça constante por parte dos seus adversários. Otoniel também é enfermeiro, e atualmente trabalha no Hospital Walfredo Gurgel em Natal. Como profissional da saúde tem se dedicado ao combate das drogas, promovendo palestras e seminários.
 

01 – Otoniel, como você analisa a grande expansão das drogas no litoral norte do Estado?

Otoniel de Souza Baracho: O uso das drogas não se restringe somente ao nosso litoral ou Estado. Trata-se de um fenômeno de abrangência global que preocupa as autoridades ao ponto de hoje ser tratado como problema de segurança nacional. A drogadição é encarada sob o duplo aspecto médico-social, configurando-se nos dias atuais como um grave problema de saúde pública. Uma epidemia, especialmente com o alastramento do crack e suas nefastas conseqüências. 

02 – Quais as alternativas para conter o avanço das drogas em municípios como Touros, Rio do Fogo e Maxaranguape, por exemplo, aonde o desemprego da população jovem é muito alto?

Otoniel Baracho: As alternativas para o enfrentamento e contensão das drogas são múltiplas. Destacam-se entre outras: a prevenção concretizada através de políticas públicas direcionadas a proporcionar a melhoria da qualidade de vida do povo, com ênfase no campo temático da saúde; educação; assistência social (sem o assistencialismo escravizante); geração de trabalho e renda; atividades culturais e esportivas tendo por alvo os segmentos socialmente excluídos da população, que por conseguinte, são os mais vulneráveis ao uso abusivo do álcool e outras drogas. Prevenir ainda continua sendo o melhor remédio. Não podemos também esquecer o resgate dos valores ético-cristãos, a valorização da vida e da família como célula básica da sociedade, o bom exemplo dado pelo pais, a cultura da paz e da harmonia entre pessoas e o exercício da cidadania em sua plenitude. Exigir direitos também faz parte desta luta.

03 – Na sua opinião, qual o fator determinante para que os jovens procurem nas drogas uma saída para os seus problemas?

Otoniel Baracho: Não existe um fator único. O jovem procura droga levado especialmente pela busca do fácil e ilusório prazer; por timidez, curiosidade, pela origem de uma família desestruturada, baixa auto-estima, falta de informações quanto aos efeitos maléficos, pelo mal exemplo dado pelos pais ou outro membro da família, por querer afirmar-se no grupo de amigos, por impulsividade. Especialmente por sentir-se infeliz e sem perspectiva de vida.

04 – Fale um pouco sobre esse seminário que você promoveu em Touros e que tem como objetivo principal alerta as famílias sobre os perigos das drogas.

Otoniel Baracho: O seminário ocorreu no dia 14 de outubro passado. Por dever de justiça quero ressaltar que o mencionado evento foi realizado pela Prefeitura Municipal e que a Prefeita Luciana nos deu total apoio, acatando nossa modesta sugestão. O seminário em questão teve por tema: A sensibilização e mobilização da sociedade tourense, quanto ao uso abusivo e indevido de drogas na família, escola, ambiente de trabalho e comunidade. Os objetivos foram: sensibilizar e mobilizar autoridades, profissionais, voluntários, lideranças religiosas e comunitárias para discutir, elaborar e implementar políticas públicas municipais para o enfrentamento coletivo e compartilhado da problemática do consumo das drogas no Município. Na fase atual estamos mantendo contatos com o CONSELHO ESTUADUAL DE ENTORPECENTES – CONEN, com o objetivo de realizarmos em Touros, possivelmente em março de 2010, uma audiência pública, com a participação inclusive de autoridades dos nossos Municípios circunvizinhos, visto que o problema das drogas em nossa região, haverá de ser tratado de forma conjunta e até mesmo consorciada. O destaque desta audiência será a criação do CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS e a inclusão de Touros no PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÁS DROGAS E A VIOLÊNCIA – PROERD da Polícia Militar.

05 - Como você analisa a atual gestão administrativa da prefeita Luciana Farias neste primeiro ano de governo?

Otoniel Baracho: Sempre é dito por quem assume uma Prefeitura, que o primeiro ano é para organizar a casa. Pelo pouco quer tenho de informação, a casa está realmente ainda necessitando de ser posta em ordem. São heranças originárias de administrações passadas, precatórios, inadimplências de prestações de contas junto a órgãos federais entre outras mazelas. Isto é fato comprovado, sem falarmos na crise econômica que desestruturou todos os Municípios. Agora, no meu entender, a atual Administração peca por não tornar público tudo o que lhe caiu no colo oriundo do passado e que tem sido entrave ao bom andamento administrativo de Touros. A transparência, as cartas na mesa deixariam as coisas mais claras. Uma outra dificuldade é a mudança no trato com alguns membros do Poder Legislativo. Havia no passado uma relação promíscua e até mesmo pecaminosa, para não sermos indelicados. Hoje sabe-se que a famosa “Oração de São Francisco” não funciona.

06 – Sabemos que você entregou em mãos a prefeita Luciana algumas sugestões para ajudá-la a administrar o município, que sugestões foram essas?

Otoniel Baracho: Tive a iniciativa de apresentar a Prefeita Luciana, algumas sugestões cujo foco principal visa o enfrentamento das causas motivadoras do uso abusivo do álcool e outras drogas, tendo por meta a prevenção balizada em alicerces fundamentados numa gama de ações e políticas permanentes de governo que possibilitem aos munícipes tourenses, em especial nossas crianças e jovens, uma vida de boa qualidade. Isto obviamente, só atingiremos pela concretização de serviços públicos compatíveis com as reais necessidades de nosso povo. O alcance destes objetivos se dará através da inversão de prioridades em obras estruturantes e serviços públicos apontados pela própria sociedade como de cunho prioritário e assim de forma compartilhada se promova atividades de inclusão social, objetivando a implementação de ações concretas que venham possibilitar o pleno exercício da cidadania. Entre as referidas sugestões destaco: 1)- A realização de um diagnóstico comunitário visando entre outros aspectos termos dados informativos quanto a amplitude do problema do uso abusivo do álcool e outras drogas, e quais as demandas eleitas pela população, como necessárias de soluções mais urgentes e inadiáveis; 2)-Fomentar o envolvimento das crianças e jovens através de suas entidades organizativas tais como: grupos de escoteiros, desbravadores, grêmios estudantis e afins, na elaboração, discussão, implementação, acompanhamento e fiscalização das políticas públicas, em especial sobre drogas no âmbito municipal; 3) –Instituir o CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS assegurando-lhe condições de produtivo funcionamento com plena autonomia sem a ingerência do Poder Estatal ou da política partidária; 4) – Efetuar gestões através de contatos com o comando geral da Polícia Militar, com vistas a inclusão de Touros nas ações benéficas do PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÁS DROGAS E Á VILOLÊNCIA – PROERD, 5) Instituir a inclusão do tema “Dependência química e prevenção do uso de drogas” na grade curricular ou fora dela, no contexto do ensino municipal de forma a envolver todo o sistema de ensino púbico e privado, inclusive através de parcerias,tendo-se sobretudo a preocupação de só atribuir esta tarefa a quem de fato esteja habilitado para tal, 6) – Priorizar a disponibilização de programas profissionalizantes e de reinserção social aos dependentes químicos em recuperação e seus respectivos familiares, 7)- Criar uma instituição pública para internamento de pacientes em estado crônico ou agudo de dependência química (homens e mulheres). Considerando seus altos custos, sugerimos a pactuação de ações consorcidas junto aos Municípios circunvizinhos, 8) – Oficializar e por em prática uma política de aproximação e integração entre as escolas e a comunidade, oportunizando a abertura dos espaços físicos escolares, destinando-os ao uso responsável, pela população. Esta medida, derrubaria as barreiras que distanciam o alunado e suas famílias, da comunidade escolar, 9) – Considerando os benefícios das práticas esportivas e culturais no campo preventivo das drogas, sugerimos a ampliação desta atividades, com especial destaque a sua destinação aos segmentos socialmente excluídos. 10) – Promover a capacitação dos profissionais da educação, saúde e assistência social para que se tornem agentes prevencionistas e multiplicadores, no enfrentamento das causas motivadoras do alcoolismo e outras dependências químicas.

07 – Você foi vereador no final da década de oitenta e inicio dos anos noventa. Você acha que nestes últimos vinte anos a política do município de Touros evoluiu ou andou pra traz?

Otoniel Baracho: Houve pequenos e inexpressivos avanços os quais debito à Lei do Progresso. No geral, as mentes dos políticos tradicionais, continuam retrógradas, alimentadas pelo egoísmo que não lhes permitem ver o bem comum. Não há quem demonstre na prática ser movido pelo amor ao povo. Não se pensa o coletivo. Existem sim, muitos projetos pessoais. Noutra vertente, a maioria das pessoas alimenta esta casta, visto que nos últimos anos, não oportuniza a alternância do poder local em mãos de quem de fato lhe veja como cidadão na plenitude de seus direitos sociais. Vejo com muita tristeza e indignação o fato que no próximo ano, mais uma vez irão repetir o fatiamento do eleitorado, e por trinta moedas vão decidir quatro anos de suas vidas.

08 – Nestes últimos trinta anos de vida política, quais dos ex-prefeitos de Touros que você considera como os que mais contribuíram para o desenvolvimento do município?

Otoniel Baracho: Vou ser contundente, que me perdoem a franqueza: na minha visão de mundo, ideologicamente classifico como o menos ruir o ex-prefeito Josemar França, que apesar de seu temperamento, e prática centralizadora foi o que deixou algumas obras visíveis facilmente constatáveis.

9 – Na atualidade você enxerga algum nome novo da política local que possa surgir como alternativa viável para o futuro político de Touros?

Otoniel Baracho: É muito cedo para esta avaliação. Muitas águas irão rolar sob a ponte. No entanto, hoje já surgem alguns nomes lembrados a ocupar o Palácio Porto Filho. A própria Prefeita Luciana, tem ainda três anos de mandato, se conseguir por em prática o que pensa, e reverter a atual situação, tem todo direito de colocar seu nome em julgamento popular, se mantida a possibilidade da reeleição. Outros nomes cogitados são o Vereador Ney Leite, Diego Cavalcante, Sérgio Câmara, Júnior da Emater/PC do B. Dentro do PT existem bons quadros entre os quais cito o Professor Januário, todos no meu entender, merecedores do nosso julgamento nas urnas.

10 – Com respeito à Câmara de Vereadores, o que você mudaria para que ela se tornasse mais eficiente no seu papel fiscalizador?

Otoniel Baracho: Uma das funções constitucionais outorgadas ao Poder Legislativo é o de fiscalizar todos os atos do Poder Executivo. Fica difícil entender como pode um cidadão que pretende ser um fiscal do povo, ter sua campanha política de certa forma bancada pelo candidato a Prefeito. Quando eleito, querer que este “seja bom” para o vereador, ter linhas de ônibus ou carros locados pela Prefeitura, talões para aquisição de combustíveis, crédito em farmácias entre outras “bondades”. Concluindo, para que o Poder Legislativo aqui e alhures, se torne eficiente em seu papel fiscalizador, sugiro que seus componentes sejam autônomos, desvinculados de quaisquer relacionamentos que se configure como agente de coação que venha intervir em suas convicções e deliberações. Faço estas sugestões porque assim exerci um mandato do qual muito me honra.

11- Como você analisa a saúde pública municipal de Touros hoje?

Otoniel Baracho: Sempre digo que, quem tiver um possível concorrente nas urnas e pretenda livrar-se do dito cujo, tem uma fórmula fácil e eficaz: coloque-o na direção de um hospital ou faça dele o Secretário de Saúde. Não escapa um. A saúde pública em nosso Município é reflexo do que existe nas demais esferas de poder por este Brasil afora: um cáos generalizado. Touros não é uma ilha, sofre conseqüentemente os efeitos da falta de planejamento, investimentos e valorização de seus quadros profissionais entre outras carências seculares. Manter um hospital por pequeno que seja, é caro e complicado. No entanto, alguma coisa pode ser feita pontualmente. Não se admite por exemplo que uma paciente traqueostomizada seja removida para Ceará-Mirim para ser aspirada porque o nosso hospital não dispunha de um aspirador que custa menos de R$ 300,000 (trezentos reais) . Uma outra aberração é um profissional médico assumir um plantão no Pronto Socorro, sem a devida habilitação mínima para tal. Por exemplo saber entubar o paciente em casos de Paradas Cárdio Respiratórias. Em determinados plantões, se a vítima parar de respirar é morte certa., visto que o plantonista não domina as manobras de ressuscitação, que de outra forma salvaria uma vida.

12 – O que Otoniel de Souza Baracho espera do futuro do município de Touros?

Otoniel Baracho: Faço votos que o povo de Touros, seja beneficiado com ações de governo e políticas públicas que venham possibilitar uma melhoria da qualidade de vida de todos e cada um. Que todos sejam respeitados em seus direitos, solidários, participativos e pratiquem a cultura da paz e de amor ao próximo. Quero por fim, oficializar meu total desligamento da política partidária. Estou retornando às minhas origens, ou seja: Já montei minha trincheira no campo dos movimentos sociais, junto ao povo, de quem sou filho, na expectativa de que junto a ele possa continuar contribuindo na construção de uma sociedade mais justa e igualitária, norteado pela boa vontade e profundo amor a humanidade. Isto me basta!

  SABATINA PARTE 3 

 


Sistema Integrado de ComunicaçãoConheça a Folha do Mato Grande

Expediente | Departamento Comercial | Arquivo Vivo | Classificados | Sistema Integrado | Fale Conosco
© Copyright. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização da nossa direção. // Designe Criativa