o jornal

HOME  CADERNO F REGIÃO   ESTADO OPINIÃO IDÉIAS TURISMO O JORNAL ARQUIVO PROJETOS ANÚNCIOS SISTEMA

 


n
RETROSPECTIVA
Há 29 anos uma bandeira em
defesa da região Mato Grande

Fundado em janeiro de 1988, jornal é tradição do jornalismo regional

Primeira edição circulou no dia 27 de fevereiro de 1988O dia 27 de fevereiro de 1988 não foi um dia como os outros para a região do Mato Grande, especialmente para a comunidade do município de Touros. As 20:30 horas, foi lançado oficialmente com a presença de políticos, autoridades civis e militares, convidados especiais e até curiosos, o jornal Folha de Touros. Nascido no dia primeiro de janeiro de 1988, o jornal só chegaria ao público leitor no dia 27 de fevereiro em tamanho tablóide, uns bons centímetros menor que o tamanho que passou a ser impresso messes depois. A solenidade de lançamento foi realizada no Touros Praia Clube - TPC, na época, centro da vida social e cultural da cidade. Na ocasião o jornalista Roberto Patriota, falou aos presentes e fez vê a importância de um veículo de comunicação como alavanca de desenvolvimento sócio, econômico e cultural da região, ressaltando a importância de um veículo de comunicação para uma região que mal tinha sinal de televisão. Também levou a sua palavra aos presentes o jornalista Nelson Patriota, então editor do jornal, além do Tabelião Carlos Rogério. A cobertura fotográfica do acontecimento ficou a cargo do jornalista Ricardo Patriota. O então prefeito de Touros, Pedro de Andrade Ribeiro, foi quem falou por último, aproveitou a oportunidade para parabenizar a direção pela criação do novo veículo e, terminou suas palavras por desejar bastante sucesso e longa vida a Folha que ali nascia. 

"Se a notícia deu na Folha do Mato Grande então é verdade! Se não deu, temos que esperar a Folha noticiar para saber se é verdadeira". João Batista (Agricultor).

O Sonho

Jornalista Roberto Patriota fala no lançamento da Folha de Touros, cercado pelos primos Carlos Rogério, Nelson Patriota e Rayner. - Foto: Ricardo PatriotaDo sonho de cinco primos, a procura de preencher uma importante lacuna na vida sócio cultural da região, nasceu a Folha. No final da década de oitenta, Roberto, Nelson, Ricardo, Carlos Rogério e Wagner Patriota elaboraram o projeto, se reuniram e, enfim colocaram o jornal a disposição do público leitor em menos de sessenta dias da idéia original. As dificuldades foram e continuam sendo  muitas, especialmente porque trabalhar com cultura num pais do terceiro mundo, em uma região, carente de educação e cultura, não é tarefa fácil. Mesmo assim a Folha prosperou, e já em julho de 1992, por exigência regional, passou a ser denominada de Folha do Mato Grande. Hoje o jornal atinge um público leitor cada vez maior e bastante diversificado. Ao longo de todos estes anos a Folha foi gerando seus filhos, a começar pela Rádio FM Mato Grande, fundada em 26 abril de 1996, dois anos depois foi a vez da Rádio Gostoso FM, em parceria com os empresários Leonardo Godoy e Mário Farias Júnior, hoje transformada na Mar Azul FM, As rádios operavam com o mais moderno programa de digitalização musical existente na época, o que permitia uma imensa variedade musical e alta qualidade digital, além, é lógico, uma grande prestação de serviço para as comunidades. Em maio de 2001, nascia o portal da Folha do Mato Grande - On Line, hospedando diversos sites do Sistema Integrado de Comunicação - SIC, como o site da Rádio FM Mato Grande, e outros. É hoje o portal noticioso com maior número de acessos da região na web do RN. Em maio de 2003, o Sistema Integrado de Comunicação lançou mais um importante veículo de comunicação, dessa vez dirigido para a região Agreste do Rio Grande do Norte. O jornal Gazeta do Agreste em pouco tempo, tornou-se o jornal mais importante da região Agreste, com maior tiragem e circulação. Seguindo seus passos em 2004, foi a vez da revista Agreste Teen, publicação dirigida para o público jovem da região Agreste do Estado. Mais recentemente foi lançado o site de humor G17 a nível nacional.

"O poder político é efêmero, costuma deslumbrar os estreantes e atrair ditadores. Assim como chega, também vai embora, deixando sempre uma imensa sombra de frustração". Charles Chaplin.

A Luta

Na primeira edição da Folha, a manchete alardeava: "BR-101 vem aí - Touros e Natal ficam mais perto", a BR chegou sim, dez anos e nove meses depois. Nem por isso a Folha desistiu de perseguir seus sonhos e lutar pelo que considera mais importante para a região. Continuar lutando, contribuído para o desenvolvimento efetivo da qualidade de vida da nossa população e por um lugar de destaque para a região, continua sendo uma das nossas metas. Para tanto, estaremos sempre atentos as tendências e ao desenvolvimento de um mundo globalizado, que se transforma a cada novo dia, de forma quase sempre surpreendente. Para tanto a Folha se comprometeu a manter o projeto on-line atualizado e com uma plataforma noticiosa da mais alta qualidade.

As Conquistas

Em janeiro a Folha do Mato Grande completou 25 anos de circulação a serviço da região e do Estado, neste inicio de segunda década do século XXI. Em todos estes anos a Folha influiu sobre várias pessoas que em suas páginas aprenderam a ler, em alguns casos, mas sobretudo aprenderam a se ver como pessoas inteligentes, de uma comunidade e que no seu conteúdo buscaram a solução dos seus problemas, a realização de seus sonhos e o cultivo de seus valores básicos, fundamentais. Aos poucos solidificou-se, tornando-se ao mesmo tempo, pela forte contribuição cultural, desde os primeiros tempos, num dos símbolos da região do Mato Grande, testemunhando as principais mudanças ocorridas no final da década de oitenta até hoje.

Contemporâneo das últimas invenções modernas que hoje facilitam a vida cotidiana, a Folha noticiou o aparecimento do celular, da Internet, do Mapeamento Genético, da eleição eletrônica, do Efeito Estufa, da informatização digital, da clonagem de animais, e de tantos outros fatos que transformaram o mundo no final do século XX. Exerceu durante todos esses anos, forte influência política, econômica e cultural. No começo era apenas mais uma tentativa, mas, aos poucos, foi se destacando, se consolidando, até conquistar a grande credibilidade que hoje detêm, assegurando um dos maiores títulos do jornalismo regional do Estado.

O importante sempre foi não mudar de conteúdo. Dentro desse espírito, a Folha sempre buscou atender cada vez maior número de leitores e assinantes para poder honrar o slogan que estampou entre junho de 1995 até janeiro de 2006 quando optou pela atual versão 100% digital: "O Jornal de Maior Tiragem e Circulação da Região". A cada ano no aniversário da Folha, os representantes dos setores mais significativos da sociedade enviam ao jornal suas mensagens pela data, antes através de telegramas e cartas, hoje por e-mails e mensagens de texto, numa forma indiscutível de reconhecimento público e credibilidade assegurada.

O Futuro Digital

Folha do Mato Grande - On Line maior portal regional informativo da Internet do Rio Grande do NorteAos poucos a Folha do Mato Grande foi se tornando órgão por excelência de todos os seguimentos da comunidade, mantendo abertas suas colunas, a todas as correntes de pensamento e suas fileiras a profissionais de todas as procedências. "As portas sempre estiveram abertas ao talento", escreveu um dia, o escritor e pesquisador Gustavo Praxedes. Foi essa preocupação pela qualidade e inclinação pela capacitação profissional e pelo estofo cultural que fizeram da Folha, ao longo de todos estes anos, um verdadeiro baluarte das transformações sociais da região. Buscando também tecnologicamente correr na frente, a Folha foi o primeiro jornal da região a se informatizar e se incorporar ao mundo virtual da tecnologia de ponta produzindo a Folha do Mato Grande - On Line, com atualização noticiosa constante para todo o globo através da internet, tornando-se assim o primeiro portal noticioso da região na web.

Sem nunca abandonar a sua vocação, o jornal sempre foi fiel às suas origens, e para tanto, fez, participou, apoiou e combateu movimentos. Posicionou-se sempre em defesa da liberdade, democracia e livre iniciativa dos interesses coletivos da região, que nunca se confundiram com demagogia, charlatanismo e agitações aos direitos e a liberdade.

Grandes nomes da cultura do RN, escreveram nas páginas da Folha: Celso da Silveira, Nilson Patriota, Cortez Pereira, Olavo de Medeiros Filho, Lenine Pinto, Gumercindo Saraiva, Veríssimo de Melo, Dióico Gontijo, Diógenes da Cunha Lima, Nelson Patriota, Franklin Jorge, Emanuel Neri, Osório Almeida e Valério Mesquita só para citar alguns. A Folha no entanto, promete manter as linhas básicas da fundação elevando o padrão técnico e respeitando à cultura potiguar. É um compromisso e tanto, assumido junto com a responsabilidade de preservar, respeitar e ampliar o acervo histórico e cultural que representa este empreendimento iniciado no já distante janeiro de 1988. Não é pouco.

A Folha do Mato Grande segue sua missão de tudo informar com responsabilidade, seguindo os passos do seu fundador jornalista Roberto Patriota, que hoje atua na qualidade de simples colaborador desse portal. Outras obrigações lhe chamaram e ele como bom guerreiro foi a luta na qualidade de gestor imobiliário que também é. No seu lugar ficou o companheiro Pedro Batista, que com sangue novo promete continuar o brilhante trabalho do fundador.

Vamos todos desejar que também no século XXI, a Folha do Mato Grande em sua nova e permanente versão 100% digital prossiga sendo o baluarte das aspirações populares, como no inicio, e que continue, "indestrutível como o Rio Grande do Norte", como acentuou o ex-governador Cortez Pereira. Que a boa sorte esteja sempre ao nosso lado. Amém!

 

 


Sistema Integrado de ComunicaçãoConheça a Folha do Mato Grande

Expediente | Departamento Comercial | Arquivo Vivo | Classificados | Sistema Integrado | Fale Conosco
© Copyright. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização da nossa direção. // Designe Criativa