arquivo vivo

HOME  CADERNO F REGIÃO   ESTADO OPINIÃO IDÉIAS TURISMO O JORNAL ARQUIVO PROJETOS ANÚNCIOS SISTEMA

 


APRESENTAÇÃO
Arquivo Vivo, fragmentos da
memória sentimental do RN

"É observando o passado que se enxerga o futuro"

Por: Roberto Patriota //
roberto.patriota@hotmail.com

 

Quando adolescente, no final da década de setenta trabalhei no velho e tradicional jornal "A República", fundado por Pedro Velho de Albuquerque Maranhão em 1889. Em A República permaneci durante quase toda a década de oitenta e desenvolvi ali diversas atividades jornalísticas. Iniciando minhas atividades como chargista diário do jornal, fui também revisor, diagramador, montador, repórter, redator... Foi uma grande escola, não só para mim, mas para muitas gerações que nas suas redações praticaram um jornalismo romântico e apaixonante que não existe mais. No intervalo do trabalho e quase sempre na companhia do amigo Júlio Rosado Filho, costumava visitar o velho arquivo do jornal. Lá encontrei matérias e reportagens incríveis. Naquela época boa parte das velhas encadernações contendo quase cem anos da vida sócio econômica e cultural do Estado ainda estavam em estado de conservação, por assim dizer, razoável.

Foi numa dessas encadernações que encontrei uma reportagem datada de julho de 1929 dando conta da inauguração da ponte de cimento armado que ligou a praia de Touros a cidade. Obra do então governador Juvenal Lamartine de Faria. A reportagem citava nomes da época e contava sobre a grande festa que se deu pela ocasião do evento. A partir daí, passei a ser cliente cativo do velho arquivo de A República, por perceber da sua grande importância para a memória da cidade/Estado, e principalmente para a educação do Rio Grande do Norte. Durante anos fui incentivador da digitalização do velho acervo como forma de preservação da memória do RN. O velho jornal A República se ocupou em contar quase cem anos do cotidiano do Rio Grande do Norte, seria um crime perder esse valioso tesouro cultural.

No arquivo de A República trabalhou uma jovem tourense que anos depois se transformaria numa brilhante professora universitária e também talentosa escritora. Refiro-me a professora da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, Maria Antônia Teixeira da Costa. Com Maria Antônia travei diversas conversas sobre os veraneios de Touros dos anos setenta e oitenta. Acredito que também ela, se aventurou a viajar pelas páginas mágicas do arquivo, a pesquisar os inúmeros fatos e acontecimentos narrados naquelas páginas amarelas e mofadas, por gerações de bons jornalistas do passado.

Quando em 1988 juntamente com primos e amigos fundamos a Folha de Touros, intitulada Folha do Mato Grande a partir de 1992, pensei logo na preservação do seu acervo. Todas as edições do jornal foram encadernadas e portanto preservadas para a posteridade. Por perceber que sem a preservação da memória não existe um povo, uma cultura, uma história a ser contada e revelada, cuidei dessa primeira etapa. "É observando o passado que se enxerga o futuro", anotava o sábio tribuno Dário de Almeida Magalhães.

Com o evento da internet e a sua incrível expansão a partir dos anos noventa, iniciamos nossa incursão pela web através do site da Folha do Mato Grande. Vi também na internet um canal maravilhoso para o arquivamento da memória e conseqüentemente da história regional do Mato Grande. Por incentivo de amigos criamos o Arquivo Vivo, canal que vem crescendo de forma gradual e também revelando valores da terra ao resgatar a memória das comunidades em busca da sua história e do seu passado. O arquivo ainda considerado pequeno, tende a se expandir continentalmente através dessa maravilhosa ferramenta que é a internet. Esperamos contar mais ainda com a colaboração das comunidades para enriquecer cada vez mais este importante espaço da memória da nossa terra. Aproveitem o arquivo ele é de vocês.

  CONHEÇA O ARQUIVO VIVO 

 

 


Sistema Integrado de ComunicaçãoConheça a Folha do Mato Grande

Expediente | Departamento Comercial | Arquivo Vivo | Classificados | Sistema Integrado | Fale Conosco
© Copyright. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização da nossa direção. // Designe Criativa