HOME  CADERNO F REGIÃO   ESTADO OPINIÃO IDÉIAS TURISMO O JORNAL ARQUIVO PROJETOS ANÚNCIOS SISTEMA

 


RESGATANDO A MEMÓRIA
Revivendo Adauto Carvalho
Ele foi um autêntico líder político e empresarial

Por: Joaquim Pinheiro // Jansen dos Leiros
jansen@fecomercio.com.br

Ele foi um autêntico líder político e ao lado de amigos, como, Celso Lisboa e Lula Moreira, por exemplo, fundou a UDN - União Democrática Nacional após a redemocratização do país em 1946. Na época eram expoentes do partido a níveis, regional e Dinarte Mariz e Carlos Lacerda. Respirava política por isso sua casa vivia cheia de gente na busca de favores ou para uma simples conversa sobre o trivial novacruzense. Este homem probo, honesto, sério e ameno era Adauto José de Carvalho – que chegou a Nova Cruz, vindo da Serra da Raiz (antiga Serra da Cupaoba), localizado no vizinho Estado da Paraíba.

Adauto Carvalho chegou a Nova Cruz aos 17 anos onde iniciou sua trajetória comercial vendendo vários produtos da região, inclusive o algodão na sua fase áurea. Por esses tempos ele se casou com Alice Pereira filha de dona Joaninha figura conhecida na cidade porque explorava o ramo de hotelaria e por lá passavam viajantes da Paraíba e do Rio Grande do Norte. Seu Adauto não teve filhos e decidiu criar Violeta, filha de João Batista e Edvirgens Caldas, que casou-se em 1952 com o jornalista e escritor Nilson Patriota.

Quando Adauto Carvalho instalou-se comercialmente em Nova Cruz nos anos 30, fundou uma indústria de couro, tornou-se proprietário rural e em conseqüência um grande criador de gado. Para consolidar e ampliar os negócios ele entrou em outra empreitada: uniu-se - nos anos 60 – a Boanerges Barbalho, de Santo Antonio, e a Gilberto Tinoco, dentista e seu amigo e correligionário. A união propiciou a aquisição do acervo da firma João Câmara, que posteriormente veio a constituir-se no Consórcio Algodoeiro de Nova Cruz SA. Seu Adauto era um homem simples, li¬gado as coisas do interior mas de vez em quando fazia incursões a Natal para participar de rodadas de pif-paf ao lado de Djalma Marinho, José Brilhante e Teodorico Bezerrra, no Natal Clube.

REDEMOCRATIZAÇÃO

Adauto Carvalho foi sempre ligado politicamente a Totô Jacinto, Lula Moreira, Antonio e Lauro Arruda, mas após a redemocratização houve um rompimento, considerado bastante traumático. Da cisão ficaram Lauro e Totô no PSD – Partido Social Democrático e Adauto Carvalho e Lula Moreira entraram na UDN - União Democrática Nacional. A partir daí a política de Nova Cruz entrou na fase do radicalismo. Havia insultos e inimizades pessoas entre os líderes. Os partidários brigavam nos bares e esquinas defendendo suas cores com exagero. Mesmo sendo detentor de uma grande liderança por muito tempo, seu Adauto não alçou vôos mais altos na política local, até mesmo porque recusou diversos convites para se candidatar a cargos eletivos. Mesmo assim, foi eleito vice¬ prefeito numa composição que teve Totô Jacinto como cabeça de chapa. Ele se elegeu e Totô Jacinto perdeu a eleição.

Depois, por ser o líder do partido, a UDN e atendendo pedidos dos amigos e correligionários, candidatou-se a prefeito, disputando com Joanita Arruda, para quem perdeu a eleição. O PSD era imbatível em Nova Cruz. Por isso, na sucessão de Joanita Arruda, a UDN coligou-se com o PSD, lançando Geraldo Guerra e Mauro Pessoa. Aproveitando, surgiu José Peixoto, que se candidatou pelo PDC, liderado por Aristófanes Fernandes, com Luiz Gadelha como vice-prefeito. Foi aí que começou o período de Peixoto.

Depois dessa eleição, em 1962, Adauto Carvalho foi aos poucos retirando-se da política sem se afastar de Nova Cruz, onde morreu em 1985, aos 84 anos. Foi um exemplo de homem público.

A par dessa tendência político-partidária, Adauto José de Carvalho tinha muito arraigado em si, o gosto pelo comércio. Sabia como navegar em suas águas e, nesse campo, usava de suas habilidades políticas e aderiu ao movimento sindical patronal, passando a estreitar seus laços com os empresários da capital. Em 1948, participou das comitivas empresariais pelo Estado e engajou-se na luta pela criação da Federação do Comércio do Rio Grande do Norte, tornando-se um de seus fundadores. Agradecendo aos "Patriota", especificamente a Roberto e Socorro, seus netos, dizemos que,"in memoriam", para alegria de seus descendentes, hoje Adauto José de Carvalho recebe da Federação do Comércio essa legítima e merecida homenagem.

  ARQUIVO VIVO PARTE 19 

 

 


Sistema Integrado de ComunicaçãoConheça a Folha do Mato Grande

Expediente | Departamento Comercial | Arquivo Vivo | Classificados | Sistema Integrado | Fale Conosco
© Copyright. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total do conteúdo desta página sem a prévia autorização da nossa direção. // Designe Criativa